Como substituir a carne vermelha durante o tratamento oncológico sem prejuízos nutricionais



A carne vermelha bovina apresentou um aumento no seu preço nos últimos meses, o que impacta no bolso e no prato do consumidor. Conhecida por ter uma boa quantidade de proteína, ferro e vitaminas do complexo B, o que contribui para a manutenção do peso e no combate a anemia durante o tratamento, a diminuição no consumo deixa as pessoas inseguras.

Mas será que reduzir o consumo de carne bovina e suína nesta fase é tão maléfico assim?

O IARC (Agência Internacional de estudos sobre o câncer) recomenda o consumo máximo de 400g por semana de carne vermelha, o que equivale a aproximadamente 02 bifes médios, pensando em prevenção do câncer ou diminuição do padrão inflamatório, contribuindo para evitar o crescimento tumoral. Culturalmente consumimos mais que esta quantidade, então reduzir o seu consumo não somente não teria um impacto negativo, como seria positivo.

A variedade alimentar se faz importante para consumirmos o máximo de nutrientes ao longo da semana. Variando as fontes proteicas, variamos também as vitaminas e minerais existentes nestes outros alimentos.

Podemos encontrar proteína nos cogumelos, ovos, leites e derivados e na combinação dos cereais com as leguminosas, como no nosso famoso arroz com feijão.

No que diz respeito ao ferro podemos nos beneficiar deste mineral ao consumirmos feijão, beterraba e verduras verdes escuras. Como há uma diferença entre o ferro existente nos produtos de origem vegetal quando comparada ao existe nas carnes vermelhas, para melhorar absorção é interessante incluir na refeição uma fonte de vitamina C, como por exemplo espremer um limão em cima da comida ou consumir uma laranja de sobremesa.

A vitamina B12 tem como fonte os alimentos de origem animal, como nas carnes de peixe e frango, ovos e nos leites e derivados. A sua mensuração através dos exames bioquímicos é importante, caso haja necessidade de suplementação o seu médico ou nutricionista poderá fazê-lo.

Dessa forma, procure o equilíbrio no consumo de carnes de maneira geral, e aumente o seu consumo de alimentos de origem vegetal, dessa forma, você estará nutricionalmente fortalecido para o tratamento oncológico.


Receita de hamburguer de lentilha

· 2 xícaras de lentilha cozidas com sal e folha de louro

· 1 cebola

· 2 dentes de alho

· 2 xícaras de farelo de aveia temperado com cebola e salsa desidratadas e sal

· 1 colher de chá de páprica defumada

· Azeite


Modo de preparo:

Refogue o alho e a cebola no azeite e acrescente à lentilha, deixe cozinhar por 5 minutos;

Bata no liquidificador a lentilha com páprica defumada;

Em um recipiente, misture a lentilha batida com a aveia temperada. Vá acrescentando aos poucos até ficar uma massa homogênea e ao fazer bolinhas com as mãos não grudar;

Quando der o ponto certo, faça com esta mistura hamburgueres e doure dos dois lados com azeite em uma frigideira antiaderente.


Nutricionista Aline Barreiros é formada em Técnico em Nutrição e Dietética pelo centro Paula Souza, Graduada em Nutrição pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), especialista em oncologia pela Residência Multiprofissional do Hospital Sírio Libanês e pós-graduada em Nutrição e Alimentação Funcional pela Faculdade Método de São Paulo (FAMESP).



Posts recentes

Ver tudo

Coronavírus: O que fazer?

Estes últimos dias foram de alarde no nosso país: o coronavírus chegou e muitos especialistas falam em uma pandemia. As pessoas mais suscetíveis são os idosos ou aquelas com doenças crônicas e imunida

  • Facebook
  • Instagram

© Todos os direitos reservados - JORNAL TEMA

O Jornal Tema não se responsabiliza pelas matérias ou artigos assinados.
As opiniões não refletem, necessariamente, a opinião da diretoria deste jornal.

E-mail: jornaltema@gmail.com

Dúvidas e sugestões (13) 99116.0050 ou Redação (13) 3561.8382

Administrado pela ASSECOM Assessoria